BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quinta-feira, 22 de junho de 2017

ALTERNATIVA ÀS REFORMAS

   Qual a alternativa às reformas que estão postas à mesa gestadas pela equipe econômica de Meireles? A Venezuela, naturalmente. Mas se a primeira hipótese é pouco provável, consideramos a segunda quase impossível. A única parte boa do governo Temer é a econômica. Mas como diz a Janaína, "a estabilidade alicerçada na ilegalidade é falsa!"
     É melhor falar em política pois nela a liberdade de imprensa funciona. Podemos expressar nossas opiniões livremente, sem represálias de quem é, ou parece ser, virtualmente "ofendido". Escrevo o que penso até do Gilmar Mendes, ministro do supremo, quase sempre expressões poucas republicanas, sem, contudo, jamais ter sido admoestado. Já em outras paragens...! Mama mia!...
      O consolo é que ano que vem, em outubro, teremos novas e diretas eleições presidenciais. Esperamos que nestas eleições já tenhamos candidatos treinados para não mais cair em crimes aflorados na operação Lava a Jato. Começaremos a sair do lamaçal. Com a graça do Reino Eterno.
      

terça-feira, 20 de junho de 2017

COMPARAÇÃO, NA PRÁTICA, POUCO PRODUTIVA




Não me parece proveitosa uma análise comparativa dos dados contábeis-atuariais da BB-Previ, com os da Valia, ou mesmo de outra EFPC. Seria um exercício pontual e isolado, para, ao final, chegarmos a conclusões pouco práticas e produtivas. 
Um procedimento de “benchmarking”, envolvendo a entidade, teria sentido num mercado competitivo e voltado para o lucro, o que não é o caso. Isto não quer dizer que não devamos estar atentos “às boas práticas” de governança e “às decisões” que maximizem a segurança e a estabilidade financeira do Fundo. 
Felizmente, a Previ-BB não é um mau exemplo de EFPC. Pelo contrário. É a maior da América Latina, uma das grandes do mundo, acumula conquistas singulares e exitosas e sobrevive num país, cujo histórico de ciclos econômicos e de negócios é uma permanente luta contra as adversidades e incertezas dos ambientes interno e externo. Até neste triste e vergonhoso momento por que passa o Brasil, sangrando pelas feridas abertas das corrupções localizadas e sistémicas, o nosso Fundo tem logrado explicar, como “riscos da atividade”, alguns descaminhos de gestão e de “aparelhamento”. Não é Nota 10, mas está bem acima da média. 
É preciso, também, levar em conta a singularidade da BB-Previ, na sua componente maior do Plano 1, com 82.450 aposentados, 11.481 ativos e 20.745 pensionistas, totalizando 114.676, participantes, numa constante dança de números decrescentes, sem renovação, que, a cada dia, registra “a partida” de 3 a 4 membros da confraria fechada e condenada à extinção. Esse Plano contabiliza R$163 bilhões de ativos rentáveis e pagou, em 2016, mais de R$10 bilhões de benefícios!
Porém, singularidade maior, preocupante e pouco estudada, é a intrincada e inusitada simbiose entre o Banco do Brasil(patrocinador) e a Previ. Intrincada, porque acumula, ao longo de mais de 100 anos de mútuo relacionamento, uma diversidade de casos e soluções, nem sempre bem resolvidos, com esqueletos que, ainda hoje, assombram os corredores atuariais da dócil Previ. Inusitada, porque o BB-patrocinador, na peculiar qualidade de instituição financeira, arvora-se como gestor autoritário do seu “departamento previdenciário”, sempre em seu benefício. Assume compromissos bilionários que se perdem nas “notas explicativas” dos balanços. Joga passivos e benefícios trabalhistas nas costas da sua cria, a exemplo de PDV’s e antecipações de aposentadoria, aos milhares. Controla e seduz administradores. Manipula legislações, para se igualar como beneficiário de superávits. Enfim, é sempre zeloso, para retirar a parte que ajuíza e proclama ser sua, nesse latifúndio. Aos participantes severinos, os rigooores da lei e dos regulamentos.
O grande X da questão se esconde nessa intrincada e inusitada simbiose BB+Previ. É isso que cabe avaliar, para decidir sobre um novo modelo de governança. O PLP 268/2016 é a porta que se abre pra chegar lá. Cordialmente, Aristophanes.

     O insigne mestre Aristophanes nos dá uma aula magna sobre a matéria levantada. No texto acima, de transparência solar, o grande Mestre deixa claro, no último parágrafo (conclusão) que o ponto-chave a ser focado (e a ser resolvido se houver possibilidade) é esta estranha e única (no ramo) simbiose* Banco do Brasil e PREVI. Aprovo sem nenhuma restrição.
      Inobstante, e repito, sem qualquer reparo a fazer no texto do magnífico Pereira, vou declinar algumas considerações envolvendo comparação entre os dois fundos de pensão.
       A estrutura é praticamente a mesma. Na VALIA tem presidência (exercida por uma mulher), tem diretoria de Seguridade (exercida por uma mulher), tem diretoria de investimentos (exercida por um homem). Porém lá, a patrocinadora não tem interesse na gestão, ao contrário do nosso fundo. Lá eles aplicam 6,5% do ativo de 21 bilhões em renda variável (= 1,3 bilhão) e 81% em renda fixa (cerca de 16 bilhões). E lá também há a operação com participantes.
           O dado concreto é que lá os participantes estão recebendo há dez anos ininterruptos 25% a mais em suas aposentadorias. Exemplificando: Quem ganha R$ 10.000,00 todo o santo mês verifica em sua conta um total bruto de R$ 12.500,00. No fundo PREVI, além do corte antes do tempo previsto do benefício especial, houve a volta das contribuições (4,8%). Este é o fundo que está "acima da média" entre os demais (estatais). Porque na privatizada Vale do Rio Doce (em que a PREVI tem expressiva participação) a nota é 10 (dez), com muito louvor.

(*) Na biologia, a palavra significa a associação de dois seres vivos de forma que haja benefícios para ambos.

domingo, 18 de junho de 2017

O MODELO DE GOVERNANÇA NA PREVI DEVE SER REPENSADO?

   Meu grande amigo Rossi diz que tão cedo não haverá novos superávits. Um Anônimo diz na postagem precedente que na VALIA tudo é diferente da PREVI. Com muito menos recursos, aquele consegue gerar superávits que são distribuídos ininterruptamente desde 2007 na faixa de 25% dos vencimentos pagos juntamente com as aposentadorias. E com patrimônio bem inferior ao nosso, sendo que onde abundam os recursos mais facilmente os lucros florescem. Onde está, pois, a diferença angular entre os dois fundos? (The answer, my friend, is blowing in the wind).
      Peguem o Balanço Consolidado do fundo VALIA, no que tange ao Plano BD (Benefícios Definidos) equivalente ao nosso Plano Um que também é BD. Não sei analisar Demonstrações de Resultados com tanta argúcia quanto nossos queridos José Aristophanes Pereira e João Rossi Neto. Por isso, peço socorro aos dois para uma análise mais acurada. Por favor, cliquem neste LINK. Se possível, comparem as rubricas mais impactantes nos dois planos. Vamos ver numa análise mais acurada o que podemos "copiar" da VALIA.
     Na minha análise o segredo da VALIA está nos 81% aplicados em renda fixa. Estou certo ou estou errado?
X


sábado, 17 de junho de 2017

MADUREIRA EM BOTAFOGO, HÁ DEZESSETE ANOS

    O companheiro Marcus Martins Madureira é o novo diretor de Planejamento da PREVI. Há 17 anos participando dos destinos de nosso fundo na Praia de Botafogo, no Rio. Marcus já substituía o Zeca por ocasião da delicada cirurgia do retirante. Martins tem em seu currículo 32 anos de BB, 17 deles dedicados à PREVI. Venceu por unanimidade de votos dos eleitos no Conselho Deliberativo,  titulares e suplentes). Ora, toda a unanimidade é sinal de que a pessoa escolhida deve possuir todos os predicados exigidos para o cargo. Deste modo, esperamos o máximo do novo diretor MMM. Que seja muito bem sucedido e que faça por merecer os 50 e tantos mil de soldos mensais.
     Na PREVI, até abril/17, o assim denominado Plano Um acumulou rentabilidade de 3,84% (Meta atuarial de 2,72%). Parece pouco, mesmo que projetado no fim do ano (dez/2017) em torno de 12%, tendo em vista que nosso déficit acumulado em 31.12.2016 foi de R$ 13.138.987. 2017 não parece demonstrar que sairemos do vermelho...

sexta-feira, 16 de junho de 2017

NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS SÓ DEU...

   Quem tinha ou ainda tem uma ou mais destas ações ganhou muito nos últimos cinco anos...
   No momento o mar não está para peixe no mercado de renda variável. Investidores sentem falta de confiança no atual presidente. Nesta sexta-feira, 16, Joesley reafirmou tudo o que havia dito, ou seja, ratificou que os ratos levaram queijo (dinheiro) em mala (anagrama lama). E assim, Temer prossegue na corda bamba, no fio da navalha, na boca da caçapa.
  

     Bem de verdade está o chefe que não deixa rastro, voa de jatinho sempre, comanda, coordena, mexe aqui e ali, tem milhares de seguidores e ninguém consegue prender...Nos últimos quinze anos só deu...Lula!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

NO FIM, O QUE IMPORTA É O CARÁTER

   Não tenho opção política-partidária, meu partido é Cristo, Filho do Deus vivo, eterno, sem começo nem fim. Sem Ele nada sou, com Ele sou extremamente forte pois "tudo posso nAquele que me fortalece".
      Então, meu desejo é não melindrar ninguém, não ofender qualquer dos irmãos e irmãs. Outro dia, a Rosa se ofendeu com menções que fiz ao partido do trabalhadores. Paciência...
      Um triste episódio num voo da Avianca na rota Brasília-Rio, duas horas de vaias e atitudes hostis contra a jornalista da Globo, Miriam Leitão, feitas por delegados covardes do PT que estavam no mesmo avião nas proximidades do assento 15c ocupado pela jornalista. Tudo porque em reuniões partidárias Lula vocifera contra Miriam, inflamando os asseclas. E o comandante do voo sequer pediu silêncio aos debochantes...
     Lula deveria agir como cristão, pregando amor, jamais o ódio. Perdeu a esposa recentemente, não serviu para perceber que esta vida é pó de onde só levamos o bem que fazemos? E notem que tem como incentivador nada mais nem menos que um prelado cristão brasileiro, bispo emérito Angélico Bernardino... Esta autoridade eclesiástica devia ter no coração os ensinamentos de Cristo...Nada disso! Arrogância é detestada pelo Criador que se compraz nos simples e humildes...
     A Lava a Jato, com as imprescindíveis delações premiadas, descortinou-nos um sub-mundo deplorável de pseudos políticos, agora desmascarados sem dó nem piedade.
      Temer, comprometido até os cabelos, prestaria um grande serviço aos brasileiros, se tomasse seu banquinho e saísse de fininho. Não há mais clima para permanência. O mercado que até então acreditava nas reformas já dá sinais que a confiança evaporou-se.
Em qualquer outro país de primeiro mundo, a saída do cargo teria se consumado.
      No âmbito doméstico vemos o Dida cada vez mais se complicando. Na PREVI está descartada nova eleição para o Planejamento. Zeca pediu afastamento em 01.06.2017; caso tivesse pedido em 31.05.2017 nova escolha pelo corpo social seria necessária. O Estatuto/Regulamento prevê que se a renúncia ocorrer dentro de um ano do término do mandato, a escolha do novo diretor será feita pelos conselheiros. Pela última eleição, o Márcio e o Amir foram o segundo e o terceiro mais votados. Não sei se este será o critério.

domingo, 11 de junho de 2017

GUERRA ABERTA CONTRA A LAVA A JATO

   Há inimigos instalados no poder em Brasília cujo cabeça é o próprio Michel Temer com seus aliados Eliseu Padilha, Moreira Franco, Rodrigo Maia e demais personagens sobejamente conhecidos. Eles estão fazendo o possível e o impossível para salvar suas peles, num mar de sarcasmo, cinismo, desfaçatez, ironia e desrespeito ao cidadão brasileiro pagador de seus devaneios de poder.
      Surgiram rumores que chegaram à ministra Carmen Lúcia, de que a ABIN - Agência Brasileira de Inteligência - estaria fazendo uma devassa na vida do ministro Edson Luiz Fachin, responsável pela operação Lava a Jato no STF. Sem falar que o procurador Rodrigo Janot foi ameaçado de substituição por Temer em setembro, se o atual presidente chegar até lá. É mais ou menos o que disse o Lula num comício recente do qual foi perguntado pelo Juiz Sérgio Moro: "Se eu for candidato e ganhar as eleições no ano que vem, prenderei todos estes procuradores que me acusam!" (sic...)
     A ministra Carmen Lúcia precisa mandar investigar de pronto a denúncia da ABIN e, se confirmada, punir de pronto, por obstrução de justiça, o imoral presidente Temer. O mal não pode vencer o bem e o povo de bem precisa ficar muito atento, sair às ruas para potestar contra as manobras sujas do atual presidente. É bem provável que o fato seja verdadeiro, haja vista, o boicote que Temer acaba de decretar a Joesley Batista, seu delator. Pediu à CEF que cancelasse o crédito de 9 bilhões de reais que a JBS tem na instituição de crédito da União. O que é isto senão represália ou retaliação?
     Por que será que o PT e PMDB se calam diante destas improbidades? Muito simples: Porque seus membros têm o rabo preso na Lava a Jato, e por baixo do pano até incentivam estas deslavadas atitudes deste cidadão acuado. Querem livrar suas peles do mesmo modo. Quase nada se ouviu de indignação destes partidos quando o TSE preferiu desmoralizar-se a cassar o mandato deste cidadão. Nunca, na história mundial, um tribunal conseguiu ignorar provas tão robustas...Quatro ministros cooptaram-se pela subserviência!
     O povo brasileiro de bem não pode aceitar essa ignomínia. Há de indignar-se, sair às ruas e protestar veementemente contra esse estado de coisas! Que o Senhor Deus de Israel venha nos livrar destes espíritos do maligno! Maranata!!!
TEMER USOU ABIN PARA INVESTIGAR FACHIN, DA LAVA A JATO, DIZ VEJA.